CÉLULAS ESTAMINAIS (STEM-CELLS, Células-tronco)

Os factos que qualquer doente com ELA e seus familiares devem conhecer

A Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) é uma doença que afecta os neurónios motores, neurónios estes que nos permitem mover, na verdadeira dimensão da palavra - andar, mexer os braços, falar, comer e respirar.

O riluzol é o único fármaco que demonstrou, até hoje, ter algum papel nesta doença, sendo que os doentes que o tomam, especialmente se iniciado precocemente, têm uma sobrevida um pouco mais alargada. Infelizmente, o riluzol não consegue travar a progressão da doença.

Muitos investigadores em múltiplos centros mundiais têm-se dedicado ao estudo da ELA, versando múltiplas linhas de investigação, quer no modelo animal quer em doentes com ELA. Contudo, os ensaios clínicos são morosos e várias etapas necessitam ser progressivamente cumpridas até à aprovação final de um novo medicamento pelas entidades competentes. Logicamente que “tempo” é algo que parece muito fugaz aos olhos dos doentes com ELA e seus familiares, que anseiam e desesperam por novas esperanças, mesmo que infundadas cientificamente. 

Quais as etapas para a aprovação de um novo fármaco/ tratamento na ELA?

O que são as CÉLULAS ESTAMINAIS?


Por que fazer estudos de CÉLULAS ESTAMINAIS nos doentes com ELA?

No último ano (2013/2014), que estudos científicos existem em humanos sobre a utilização de CÉLULAS ESTAMINAIS em doentes com ELA?

Existem outros estudos anteriores?

Que devo concluir?

1 - A administração de células estaminais na ELA está em fase experimental, NÃO existindo, de momento, indicação aprovada pelas entidades competentes para a sua realização nesta doença;

2 - Os estudos científicos existentes apontam para a segurança nos procedimentos que grupos científicos reconhecidos e com métodos e técnicas aprovadas por entidades reguladoras têm usado nos últimos anos;

3 - As eventuais notícias bombásticas na internet de melhoria de doentes com ELA quando submetidos a tratamentos de células estaminais NÃO têm qualquer validade do ponto de vista científico;

4 - Eventuais clínicas que, através da internet, publicitam os benefícios da utilização de células estaminais na ELA NÃO têm qualquer fundamento clínico para a prestação destes tratamentos.
De igual modo, NÃO há qualquer fundamento e benefício clínico que tenhamos até hoje observado nos doentes com ELA que, por livre iniciativa e sem o nosso parecer clínico e científico, tenham decidido deslocar-se a tais clínicas, tendo visto logradas as suas expectativas e associando-se a gastos avultados.
De referir ainda que os médicos que seguem doentes com ELA nos países onde essas clínicas existem, nomeadamente na Alemanha, nos afirmaram pessoalmente que as desconhecem e NÃO enviam os seus doentes para as mesmas;

5 - Dever-se-á aguardar com serenidade futuros avanços científicos e clínicos que certamente trarão o que todos desejamos – A cura ou, pelo menos, um tratamento eficaz capaz de travar ou tornar muito lentamente progressiva a progressão desta doença devastadora;
 

Os médicos que o seguem são parte integrante da sua recuperação e informá-lo-ão de novos avanços científicos que sejam úteis para si.
A APELA está à sua disposição para o ajudar e lhe dar apoio no que necessitar e fôr possível.

 

P’la Comissão Científica da APELA
Susana Pinto
Mamede de Carvalho
 

Lisboa, 13 de Março de 2014

 

 

 

 

 

 

 

Últimas Notícias

15
AGO
APELA
Praia Acessível em Oe...
10
JUN
APELA
ELA no 73º aniversári...
04
JUN
APELA
Desafio lançado pela ...